Por que o uso da nuvem híbrida exige estratégias específicas

nuvem híbrida

A nuvem híbrida, uma combinação de ambientes de nuvem pública e privada, é uma abordagem, segundo especialistas, que oferece o melhor dos dois mundos: flexibilidade, escalabilidade e economia. Mas a implementação de uma arquitetura de nuvem híbrida requer um planejamento cuidadoso, uma estratégia bem fundamentada e um conhecimento profundo dos requisitos específicos da organização.

Cada empresa precisa ter a sua estratégia para uso da nuvem híbrida, independentemente em qual ponto esteja na sua jornada para a nuvem.

Uma consistente estratégia de nuvem híbrida precisa ser orientada para os negócios, focada em questões “o quê” e “por que”, e alinhada aos objetivos de negócios. Muitas empresas estão adotando esse modelo e, segundo a consultoria Mordor Intelligence, o mercado de nuvem híbrida deve movimentar US$ 129,68 bilhões em 2024, e atingir US$ 352,28 bilhões até 2029.

Nos últimos anos, o mercado de nuvem híbrida experimentou um forte crescimento geral em comparação com outros serviços de computação em nuvem. Para organizações com grande volume de dados e cargas de trabalho, a utilização do modelo de nuvem híbrida permite dimensionar a capacidade computacional e ajudar a eliminar a necessidade de grandes investimentos para atender picos de demanda a curto prazo.

Os desafios do modelo de nuvem híbrida

Mas, à medida que as empresas continuam a migrar as suas aplicações e cargas de trabalho para esse ambiente, a integração e a gestão se tornam mais complexas.

Para começar a superar os desafios, é preciso, em primeiro lugar, avaliar, minimamente, as seguintes questões:

  • Quais são os objetivos de negócios específicos?
  • Por que a atual abordagem e ambiente computacional são insuficientes para atender aos objetivos de negócios?
  • Quais são os principais aspectos tecnológicos a serem otimizados usando a nuvem híbrida?
  • Por que e como a nova abordagem otimizará e atenderá aos seus objetivos de negócios?
  • Por quanto tempo a empresa pretende utilizar a configuração híbrida?

O caminho a seguir pode ser desafiador. Migrar uma empresa para a nuvem não é uma simples questão de pagar pelo sistema, conectá-lo e ligá-lo. Para ser eficaz e maximizar o valor do negócio, a nuvem híbrida precisa estar integrada à estratégia de TI e entregar melhorias de eficiência e desempenho em toda a organização.

Após entender os objetivos de negócios, confira os principais pontos que devem ser levados em consideração para implementar uma eficiente estratégia de migração para a nuvem híbrida:

Infraestrutura local: a infraestrutura local refere-se aos data centers e servidores tradicionais que estão fisicamente presentes nas instalações de uma organização. Esses recursos não fazem parte da Cloud, mas desempenham um papel crucial numa estratégia de nuvem híbrida.

Conectividade: um dos requisitos fundamentais da implementação da nuvem híbrida é estabelecer conexões confiáveis e seguras entre a nuvem pública, a nuvem privada e a infraestrutura local. Essa conectividade permite a transferência contínua de dados, a migração de cargas de trabalho e a comunicação entre os diferentes componentes da nuvem híbrida.

Integração e migração de dados: na arquitetura de nuvem híbrida, os dados podem ser distribuídos em vários ambientes. Mecanismos eficientes de integração e migração de dados são essenciais para garantir a consistência e a disponibilidade dos dados em toda a infraestrutura híbrida.

Escalabilidade e flexibilidade: a nuvem híbrida permite que as organizações escalem sua infraestrutura com base em diversas cargas de trabalho. Durante os picos de demanda, elas podem aproveitar os recursos praticamente ilimitados da nuvem pública e, durante as operações regulares, podem utilizar sua nuvem privada, infraestrutura local ou menos recursos computacionais da nuvem pública.

Segurança: a segurança é um aspecto fundamental da estratégia de implementação da nuvem híbrida. As organizações precisam ter garantia de que os dados e as aplicações permanecem seguros em todos os ambientes, incluindo encriptação, controles de acesso e monitoração.

Recuperação de desastres e redundância: uma estratégia de nuvem híbrida bem projetada pode aprimorar os recursos de recuperação de desastres. As organizações podem replicar dados e aplicações críticas entre seus ambientes de nuvem privada e pública para garantir redundância e disponibilidade em caso de falhas.

Conformidade por região: a localização geográfica e a movimentação de dados afetam principalmente as operações multicloud, modelo que adota nuvens públicas de diversos provedores, especialmente para grandes empresas com altos volumes de dados e operações globais. As organizações precisam cumprir as regulamentações de privacidade locais, dependendo do setor, e necessitam ter políticas de conformidade.

Gestão de custos: a implementação da nuvem híbrida envolve uma análise de custo-benefício para otimizar os gastos. Os serviços de nuvem pública são geralmente pagos conforme o uso, enquanto as nuvens privadas e a infraestrutura local têm custos fixos. As organizações devem equilibrar o uso de cada uma para minimizar despesas e, ao mesmo tempo, atender aos seus requisitos operacionais.

Na maioria dos casos, nuvem híbrida é a melhor opção

Para as empresas, segundo analistas do BCG (Boston Consulting Group), a digitalização e a utilização de tecnologia avançada são cruciais para serem competitivas e enfrentar disrupções – e a arquitetura em nuvem é um facilitador fundamental.

Por isso, é essencial que as empresas tomem decisões ponderadas e bem informadas sobre a estrutura, profundidade e extensão das suas redes em nuvem. Na maioria dos casos, a arquitetura de nuvem híbrida oferece maior flexibilidade, proteção de dados, ganhos de produtividade, economia de custos e potencial de inovação.

Para setores que lidam com dados altamente confidenciais, como Financeiro, Saúde e Governo, usar um modelo de nuvem híbrida também pode ser a melhor opção. Setores altamente regulamentados precisam seguir normas de privacidade e determinados tipos de informações devem ser armazenadas on-premise, permitindo que dados menos confidenciais sejam armazenados na nuvem. Nesse tipo de arquitetura de nuvem híbrida, as organizações ganham a flexibilidade da nuvem pública para tarefas de computação menos regulamentadas, ao mesmo tempo em que atendem aos requisitos do setor.

Nuvem híbrida não é apenas tecnologia

Entretanto, a adoção da nuvem híbrida não pode ser simplesmente uma estratégia tecnológica para atualizar uma rede, mas sim um modelo operacional que se concentra em objetivos e resultados estratégicos.

Para muitas empresas, essa é uma nova forma de pensar. Consequentemente, a adoção da nuvem híbrida muitas vezes requer qualificação e uma transformação organizacional e operacional. Para identificar a melhor estratégia a parceria com um provedor de Serviços Gerenciados de Cloud permite iniciar a jornada com segurança, avaliando objetivos de negócios e soluções de Cloud.

Entre em contato com a Faiston e vamos juntos avaliar a melhor estratégia de nuvem híbrida, alinhada aos seus objetivos de negócio.