Por que é importante investir na cibersegurança

cibersegurança

Em um cenário em constante mudança, os riscos para o negócio também estão se transformando a todo momento, inclusive os que envolvem a cibersegurança. Segundo um estudo da Cybersecurity Ventures, divulgado pelo nosso parceiro WatchGuard, em 2023 foi detectado um ciberataque a cada 39 segundos, resultando em mais de 2.200 casos por dia. Em 2022, um incidente ocorria a cada 44 segundos. 

Esse aumento do volume de ataques, que sempre está crescendo, traz novos desafios para os profissionais do setor, que enfrentam ameaças cada vez mais sofisticadas projetadas para contornar protocolos de cibersegurança. 

Somente um tipo de ameaça — o ransonware — rendeu mais de US$ 1 bilhão para os cibercriminosos em 2023, aponta relatório divulgado pela empresa de análise blockchain Chainalysis. 

Entenda quais são os principais tipos de ataques 

Hackers estão sempre atentos as vulnerabilidades e, em 2023, esses foram os principais tipos de ataques que desafiaram a cibersegurança de empresas de todos os portes: 

Ransomware: software malicioso projetado para extorquir dinheiro, bloqueando o acesso a arquivos ou ao sistema do computador até que o resgate seja pago. Mas pagar o valor exigido pelos hackers não garante que os arquivos serão recuperados ou que o sistema será restaurado. Segundo a Cybersecurity Ventures, ataques de ransomware foram a principal ameaça em 2023, com um aumento de 95% ano a ano em termos de frequência. 

Phishing: prática de enviar e-mails, mensagens de voz ou texto fraudulentos que se assemelham a fontes confiáveis. O objetivo é roubar dados confidenciais, como números de cartão de crédito e informações de login.  

Malware: termo genérico para qualquer software malicioso, incluindo worms, ransomware, spyware e vírus, projetado para causar danos a computadores ou redes, alterando ou excluindo arquivos, extraindo dados confidenciais, como senhas e números de contas, ou enviando e-mails ou tráfego malicioso. O malware pode ser instalado por um invasor que obtém acesso à rede, mas muitas vezes, os próprios colaboradores inadvertidamente implantam malware em seus dispositivos ou na rede da empresa após clicar em um link malicioso, ou baixar um anexo infectado. 

Engenharia social: tática em que invasores se aproveitam da confiança das pessoas para induzi-las a entregar informações de contas ou baixar malware. Nestes ataques, os hackers se passam por marcas, colegas de trabalho ou amigos conhecidos e utilizam técnicas psicológicas, como a criação de um sentido de urgência, solicitando um pagamento ou acesso aos seus dados confidenciais.  

Qual a diferença entre cibersegurança e segurança da informação? 

Muitas pessoas têm dúvidas sobre a diferença entre os termos cibersegurança e segurança da informação. Embora os dois estejam relacionados à proteção, os seus objetivos são distintos. Confira:  

A cibersegurança envolve uma série de práticas, processos e tecnologias destinadas a proteger dispositivos, redes, programas e dados contra ataques e acessos não autorizados, atuando na: 

  • Segurança de rede 
  • Segurança na nuvem 
  • Segurança de aplicativos 
  • Infraestrutura crítica 

Já a segurança da informação avalia como indivíduos e organizações protegem seus ativos digitais, como informações pessoais, registros comerciais confidenciais, dados intelectuais, entre outros, analisando as políticas e procedimentos para proteger os dados, evitando roubo, acesso não autorizado, modificação, gravação e destruição. A segurança da informação normalmente inclui: 

  • Controles de acesso 
  • Controles técnicos 
  • Controles de processos 
  • Controles de conformidade 

Por que as empresas precisam de cibersegurança? 

Os ataques cibernéticos e as fraudes podem levar a interrupções nos negócios, perdas financeiras, danos à reputação e perda de confiança — todos impactando negativamente o desempenho da empresa e as vantagens competitivas. Todas as organizações possuem ativos digitais, como segredos da empresa, informações confidenciais e dados de clientes, que precisam ser protegidos, tanto para manter a continuidade dos negócios quanto para manter a conformidade com normas e leis, como a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados). 

Os dados são hoje um dos ativos mais valiosos — muitas vezes o mais valioso — na maioria das empresas. Quaisquer problemas de segurança que prejudiquem a integridade ou o acesso aos dados de uma organização podem afetar as operações comerciais. 

Segundo estudo desenvolvido pela empresa global de seguros Marsh McLennan, em parceria com o Fórum Econômico Mundial, enquanto um incêndio em um armazém de um cliente gerou prejuízos de R$ 40 milhões, uma empresa perdeu R$ 38 milhões, em 48 horas, após um ataque cibernético. O documento, inclusive, aponta que as falhas de cibersegurança estão entre as maiores ameaças para o mundo no curto e médio prazo.  

A verdade é que um único ataque bem-sucedido pode ter um impacto catastrófico, com potencial para expor informações pessoais, interromper as operações de uma empresa, paralisar infraestruturas críticas e até causar danos físicos às pessoas. 

Quais os impactos de um ciberataque para uma empresa? 

Analistas da Cybersecurity Ventures estimam que o crime cibernético tenha causado um prejuízo de US$ 8 bilhões em 2023, o que faz com que essa atividade seja a terceira maior economia do mundo, atrás dos Estados Unidos e da China. A previsão é em 2025 esse valor alcance US$ 10,5 bilhões. Para se ter uma ideia do crescimento do volume de ataques bem sucedidos, em 2015 o montante apurado pelos cibercriminosos foi de US$ 3 bilhões.  

Os custos do crime cibernético incluem danos e destruição de dados, dinheiro roubado, perda de produtividade, roubo de propriedade intelectual, roubo de dados pessoais e financeiros, apropriação indébita, fraude, interrupção pós-ataque do curso normal dos negócios, investigação forense, restauração e exclusão de dados hackeados, danos aos sistemas e à reputação. 

Já um artigo publicado na revista Harvard Business Review alerta que um incidente cibernético pode afundar o preço das ações de uma organização, especialmente no curto prazo. As empresas de capital aberto sofrem um declínio médio de 7,5% no valor das suas ações após uma violação de dados, juntamente com uma perda média de capitalização de mercado de US$ 5,4 bilhões. Ainda mais preocupante é o fato de estas empresas terem demorado 46 dias, em média, para terem os preços das suas ações nos níveis anteriores à violação, se é que conseguiram fazê-lo. 

Além disso, os riscos cibernéticos podem resultar numa descida da notação de crédito, afetando a capacidade e o custo de uma empresa para garantir financiamento. Com isso, as empresas com práticas de cibersegurança mais fracas podem enfrentar custos de financiamento mais elevados. 

Os riscos de cibersegurança estão a cada dia mais sistemáticos e mais graves. Embora os impactos a curto prazo de um ataque cibernético numa empresa sejam bastante graves, os impactos a longo prazo podem ser ainda mais importantes, tais como a perda de vantagem competitiva, a redução da classificação de crédito e o aumento dos prêmios de seguro cibernético. 

Não temos dúvida de que o crime cibernético continuará a crescer, com mais hackers, ataques mais sofisticados e ferramentas e tecnologias mais poderosas.  

Por isso, é preciso contar com uma eficiente abordagem de cibersegurança, com múltiplas camadas de proteção distribuídas pelos computadores, redes, programas ou dados, integrando as pessoas, os processos e a tecnologia para criar uma defesa e robusta contra ataques cibernéticos.  

Como a Faiston pode ajudar? 

Com mais de 20 anos de operação, a nossa expertise permite desenvolver soluções flexíveis e customizadas, garantindo a segurança dos ativos de TI. Confira os serviços oferecidos pela Faiston: 

  • Análise de vulnerabilidades 
  • Gestão de vulnerabilidades, ameaças e riscos 
  • Gestão de atualização 
  • Gestão de acessos 
  • PenTest 
  • Threat Intelligence 
  • Gestão de plataforma de segurança 
  • NOC — Network Operations Center 
  • SOC — Security Operations Center 

Mantenha os hackers longe de seus ativos!