Decidindo sobre a infraestrutura de TI: in-house ou Outsourcing

infraestrutura de TI: in-house ou Outsourcing

Qual o melhor modelo para gestão da infraestrutura de TI: in-house ou Outsourcing? Ao avaliar estratégias de negócios e inovação, surge essa questão. São duas opções distintas com vantagens e desvantagens.

O modelo in-house entrega as tarefas de gestão aos funcionários internos da empresa, utilizando os recursos da sua organização para lidar com os desafios de TI. Por outro lado, o Outsourcing envolve confiar responsabilidades de TI a um fornecedor externo especializado na oferta desses serviços – geralmente um provedor dedicado de Serviços Gerenciados de Infraestrutura.

Os dois modelos para gestão da infraestrutura de TI: in-house ou Outsourcing, têm prós e contras, e diversos fatores devem ser levados em consideração, como o tamanho da empresa, orçamento, expertise interna, complexidade da infraestrutura de TI, entre outros.

Como selecionar a melhor opção para infraestrutura de TI: in-house ou Outsourcing

Segundo a consultoria Deloitte, muitos líderes já compreendem que uma infraestrutura de TI ultrapassada não pode suportar as atuais e futuras exigências competitivas. As empresas precisam de uma base tecnológica ágil, capaz de se adaptar a novos produtos e modelos de negócios.

E as expectativas são muitas: ter uma infraestrutura de TI que cresça ou reduza a escala para atender à demanda. Que entregue maior poder de computação. Que garanta confiabilidade e desempenho. Que mantenha a conformidade com normas.

Além disso, os executivos pesquisados apontaram a segurança cibernética como o principal desafio externo que enfrentam para alcançar os seus objetivos estratégicos e 81% dos executivos recorrem a provedores de Serviços de Segurança para fornecer, total ou parcialmente, recursos para enfrentar esse desafio.

Cumprir estas expectativas requer mais do que conhecimento técnico; líderes de TI também devem desenvolver uma estratégia alinhada aos objetivos de negócio antes de decidir qual a melhor opção para a gestão da infraestrutura de TI: in-house ou Outsourcing.

Para isso, os analistas da Deloitte indicam que é preciso avaliar as seguintes questões:

Definir seus objetivos. É preciso alinhar tecnologia e liderança empresarial com uma visão comum. Qual é a sua estratégia geral? Qual é a sua principal competência? De quais recursos a empresa precisará nos próximos três a cinco anos?

Definir necessidades de tecnologia. Como poderia a inovação impactar ou melhorar a operação tecnológica e permitir novos modelos de negócios e resultados? Que tecnologias emergentes poderão desafiar o status quo, mudando a forma como se gerencia a infraestrutura de TI?

Identificar as lacunas. Avalie sua atual infraestrutura tecnológica. Que vantagens competitivas oferece ao negócio? Onde estão suas vulnerabilidades? Como isso está afetando o negócio?

Desenvolver o plano. Como você preencherá a lacuna entre as capacidades que a empresa precisará para executar sua estratégia e as capacidades da atual infraestrutura de TI? Quais operações devem permanecer internas? O que poderia ser terceirizado? Quais são as vantagens e riscos? Como você gerenciará esses riscos?

 

Benefícios dos modelos de gestão da infraestrutura de TI: in-house ou Outsourcing

Vamos, em primeiro lugar, abordar os motivos mais comuns pelos quais uma organização pode seguir o caminho do Outsourcing. Abaixo estão alguns dos potenciais benefícios desse modelo:

Melhor desempenho: ao optar pelo modelo de Outsourcing, a empresa não precisa mais se preocupar com manutenções, atualizações, reparos ou quaisquer outros problemas técnicos.

Redução de custos: terceirizar a gestão da TI é mais econômico, pois não será preciso pagar funcionários em tempo integral para lidar com a infraestrutura. A empresa passa a contar com uma equipe de especialistas em TI de nível sênior sem pagar os salários de cada um. Para uma equipe interna, será preciso pagar salário, benefícios, treinamento, aquisição de dispositivos, desenvolvimento de carreira e muito mais. Com uma equipe terceirizada, a empresa paga apenas pelos serviços que deseja e pela tecnologia que precisa.

Maior segurança: o provedor de serviços monitora e avalia os ativos e sistemas, identificando e gerenciando as vulnerabilidades existentes, mitigando as ameaças internas e externas e avaliando o impacto dos riscos caso um ataque cibernético ocorra. O provedor será capaz de detectar vulnerabilidades com mais rapidez e informá-lo sobre quaisquer problemas em sua rede antes que causem um problema sério.

Escalabilidade e flexibilidade: os serviços de TI terceirizados podem ser ampliados ou reduzidos para atender às necessidades do seu negócio, à medida que ele cresce ou atende a demandas sazonais. O provedor de Serviços Gerenciados de TI também pode entregar soluções personalizadas para atender tanto as necessidades do negócio quanto o orçamento da área.

Service Desk: ao terceirizar sua TI, a empresa ganha acesso a uma equipe de suporte com expertises diversas. Isso permite que suas equipes possam contar com vários especialistas para minimizar o tempo de inatividade e melhorar a eficiência.

Equipe flexível: ao usar um provedor externo para a gestão da infraestrutura de TI, fica muito mais fácil dimensionar sua equipe. Em vez de contratar novos funcionários em tempo integral à medida que as cargas de trabalho aumentam ou diminuem, a empresa pode expandir ou reduzir o número de horas adquiridas de seu parceiro externo conforme necessário. Isso permite manter as operações funcionando sem problemas, evitando custos desnecessários com pessoal.

Agora, vamos avaliar alguns benefícios do modelo in-house. A maior vantagem apontada é a de que uma equipe interna permite ter um controle mais direto sobre as operações de TI, além de ter uma maior integração com times de outros departamentos. Mas, por outro lado, esse modelo tem um custo mais alto e a equipe pode não ter todas as expertises necessárias para gerenciar a infraestrutura de TI com eficiência.

Além disso, contar somente com uma equipe interna de TI exige que o RH gerencie os funcionários, controlando substituições durante férias e folgas ou realizando processos de recrutamento quando um colaborador se desliga da empresa.

Então, afinal, qual é o melhor modelo para a gestão da infraestrutura de TI: in-house ou Outsourcing? Com um parceiro confiável, a empresa não precisa mais se preocupar em contratar, treinar e gerenciar uma equipe interna. A terceirização economiza tempo e energia das empresas, que seriam melhor gastos em outras tarefas e atividades comerciais essenciais.

Além disso, com uma equipe dedicada de provedor de Serviços Gerenciados de Infraestrutura, os líderes de TI têm a certeza de que terão o trabalho realizado com rapidez e eficiência, sem comprometer a qualidade.

O modelo de Outsourcing permite que as empresas se concentrem em suas competências essenciais, eliminando a carga de gerenciamento da infraestrutura de TI da equipe interna, que pode, então, se concentrar nos objetivos de negócio, sem precisar se preocupar com a tecnologia necessária para alcançar essas metas.

Entre em contato com a Faiston e não tenha mais dúvidas sobre o melhor modelo para o gerenciamento da sua infraestrutura de TI: in-house ou Outsourcing?